logologo

Obtenha uma cotação

InícioNewsEstudo: Expectativa de vida dos homens nos EUA é 6 anos menor que a das mulheres

Estudo: Expectativa de vida dos homens nos EUA é 6 anos menor que a das mulheres

2024-02-28

Novas descobertas, detalhadas numa publicação recente da JAMA Internal Medicine, lançam luz sobre uma disparidade significativa entre géneros na esperança de vida nos Estados Unidos. De acordo com a pesquisa, os homens nos EUA enfrentam uma expectativa de vida quase seis anos menor que a das mulheres. Este estudo ressalta a importância de compreender e abordar os fatores que contribuem para essa disparidade.

 

Declínio da expectativa de vida nos EUA: percepções sobre disparidades de gênero

 

TOs Estados Unidos experimentaram um declínio notável na expectativa de vida, caindo de 78,8 anos em 2019 para 76,1 anos em 2022, parcialmente atribuído ao número devastador de mais de 1 milhão de mortes por Covid-19. Este declínio suscitou preocupações, especialmente porque reverte mais de duas décadas de progresso. Em comparação com outras nações ricas como o Japão, a Coreia do Sul, Portugal, o Reino Unido e a Itália, onde a esperança de vida ultrapassa os 80 anos, os EUA ficam para trás. Mesmo países como a Turquia e a China têm esperanças de vida mais elevadas, com valores de 78,6 e 78,2 anos, respetivamente. Esta tendência tornou-se um foco significativo para a Food and Drug Administration (FDA).

 

A disparidade significativa na esperança de vida entre homens e mulheres é uma preocupação crescente, com os homens a terem agora uma esperança de vida de 73,2 anos, em comparação com os 79,1 anos das mulheres. Esta diferença de 5,9 anos representa a maior diferença entre géneros desde 1996.

 

Brandon Yan, autor principal do estudo e médico residente da Faculdade de Medicina da UCSF, juntamente com sua colaboração com o Harvard T.H. A Escola de Saúde Pública Chan destacou a tendência global em que as mulheres tendem a viver mais do que os homens. Esta pesquisa esclarece os fatores que contribuem para esse fenômeno.

 

Yan destacou a importância da disparidade crescente na esperança de vida entre os géneros nos EUA, sublinhando a sua importância para especialistas em saúde e decisores políticos. Esta lacuna cada vez maior sugere que existem fatores adicionais além da genética e da predisposição dos homens a doenças crônicas que contribuem para a diferença na expectativa de vida.

 

Yan sublinhou a profunda influência de vários factores, como a epidemia de opiáceos, os desafios de saúde mental e as doenças metabólicas crónicas, na crescente disparidade na esperança de vida entre os géneros. Estas questões contribuem notavelmente para taxas de mortalidade elevadas entre os homens em comparação com as mulheres.

 

Além disso, Yan enfatizou que muitos desses fatores que levam ao declínio da expectativa de vida, especialmente entre os homens, são causas de morte evitáveis. Mesmo com a disponibilidade de vacinas, a Covid-19 continua a ser uma causa evitável de mortalidade.

 

Enfrentando os desafios da saúde pública: dinâmicas socioculturais e raciais

 

Yan enfatizou a importância de enfrentar os desafios atuais de saúde pública além dos avanços médicos, destacando a necessidade de melhores cuidados preventivos no sistema de saúde. Olhando para o período que antecedeu 2010, ele enfatizou o impacto das iniciativas de saúde pública, como as campanhas antitabagismo, na promoção de melhorias na longevidade e na redução da disparidade de género na esperança de vida, através da diminuição das mortes por doenças respiratórias e cancro.<p >

 

A análise da disparidade de género em questões como o suicídio e a overdose de opiáceos revela influências socioculturais complexas. Brandon Yan, um especialista na área, enfatiza o impacto das normas sociais nos comportamentos de procura de cuidados de saúde dos homens. As percepções sociais da masculinidade podem afetar significativamente a disposição dos homens em procurar cuidados para problemas de saúde mental ou aderir a regimes de medicação. Os insights de Yan destacam a importância de compreender essas complexidades na abordagem das disparidades de saúde específicas de gênero.

 

A análise carece de insights sobre variações raciais e étnicas, uma área de interesse para Brandon Yan e pesquisas futuras de sua equipe. Yan enfatiza a importância de explorar como o género e a raça se cruzam, especialmente dadas as diferenças significativas observadas entre americanos negros e brancos. Por exemplo, os homens afro-americanos têm uma esperança de vida de 61,5 anos, quase oito anos mais curta do que as mulheres afro-americanas. Esta dinâmica interseccional requer uma investigação mais aprofundada para identificar e abordar os factores subjacentes que impulsionam estas disparidades.

 

Compartilhar
Artigo anterior
Próximo artigo