logologo

Obtenha uma cotação

InícioNewsPre-exposure to Common Cold Coronaviruses: A Way to Train T Cells to Fight SARS-CoV-2

Pré-exposição aos coronavírus do resfriado comum: uma forma de treinar células T para combater o SARS-CoV-2

2024-01-29

Em um estudo inovador do Instituto La Jolla de Imunologia (LJI), os pesquisadores descobriram uma conexão fascinante entre os coronavírus do resfriado comum e a capacidade do corpo de combater o SARS-CoV-2. As descobertas, publicadas recentemente na Nature Communications, revelam que a exposição aos vírus do resfriado diários pode treinar as células T para se defenderem do novo coronavírus, oferecendo uma chave potencial para aumentar a imunidade.

 

O estudo, liderado pela Dra. Annie Elong Ngono, lança luz sobre o desenvolvimento e a funcionalidade das células T com “reação cruzada”. Estas células notáveis ​​têm a capacidade de combater vários vírus dentro da mesma família. É importante ressaltar que camundongos com exposição prévia a um coronavírus do resfriado comum exibiram proteção parcial contra danos pulmonares durante infecções subsequentes por SARS-CoV-2.  

 

O Laboratório Shresta está agora na vanguarda da elaboração de vacinas específicas concebidas para aproveitar a força destas células T. Estas vacinas inovadoras visam não só proteger contra o SARS-CoV-2, mas também conferir imunidade contra um espectro de coronavírus com potencial pandémico.

 

Células T: as especializadas Defensores na luta contra os vírus

As células T, os especialistas vigilantes do sistema imunológico, são caçadores notáveis, treinados para procurar alvos moleculares específicos, conhecidos como epítopos, pertencentes a patógenos específicos. O que os torna ainda mais poderosos é a sua capacidade de serem "reativos cruzados", reconhecendo epítopos em patógenos diferentes, mas intimamente relacionados, dentro da mesma família viral. Isto torna-se particularmente crucial no contexto da família dos coronavírus, que inclui tanto os coronavírus da constipação comum como ameaças mais graves como o SARS-CoV-2.   

 

A importância das células T com reação cruzada foi ressaltada durante a pandemia de COVID-19, quando os professores da LJI Shane Crotty, Ph.D., e Alessandro Sette, Dr.Biol.Sci., fizeram uma descoberta inovadora. No início de 2020, descobriram que indivíduos que nunca tinham encontrado o SARS-CoV-2 já possuíam células T capazes de reconhecer o novo coronavírus. O mistério foi desvendado quando foi revelado que muitos haviam sido expostos ao coronavírus do resfriado comum no passado. As células T com reatividade cruzada poderiam reconhecer efetivamente alvos em ambos os vírus, levando a uma ligação fascinante entre essas células T e a um risco reduzido de COVID-19 grave.

 

O potencial para desenvolver uma vacina contra vários coronavírus, incluindo variantes emergentes do SARS-CoV-2, era atraente. No entanto, a chave do sucesso reside na compreensão dos meandros de como estas células T protetoras se desenvolvem e da duração da sua janela protetora. "Para conceber vacinas melhores, precisamos de compreender precisamente como estas células T protetoras se formam e quanto tempo duram os seus efeitos protetores", enfatiza Rúbens Alves, Ph.D., bolseiro de pós-doutoramento da LJI, primeiro autor de um novo estudo inovador.

 

Revelando o poder das células T com reação cruzada na batalha contra a COVID-19

Numa exploração inovadora, os investigadores aproveitaram o poder dos ratos para espelhar a resposta das células T encontrada nos humanos, particularmente no domínio dos coronavírus da constipação comum. Centrando-se no OC43, um dos coronavírus da constipação comum mais prevalentes, e na sua relação com o SARS-CoV-2, ambos pertencentes à família dos betacoronavírus, os cientistas descobriram uma ligação fundamental.  

 

Infectados com OC43, os camundongos exibiram a produção de células T CD4+ “auxiliares” e células T CD8+ “assassinas” que reagiram de forma cruzada com o SARS-CoV-2. Notavelmente, estas células tinham como alvo os mesmos alvos moleculares, ou epítopos, que as células T de indivíduos com exposição prévia ao SARS-CoV-2.  

 

Aprofundando a investigação, os investigadores estabeleceram um modelo de infecção sequencial em ratos humanizados, primeiro com OC43 e posteriormente com SARS-CoV-2. O objetivo era determinar se essas células T com reação cruzada poderiam realmente proteger os camundongos da COVID-19 grave.  

 

Os resultados foram promissores. As células T “auxiliares” CD4+ com reatividade cruzada desempenharam um papel crucial no combate ao ataque do vírus ao sistema respiratório. Ratos com exposição prévia ao OC43 exibiram infecção reduzida por SARS-CoV-2 nas vias respiratórias, apresentando uma menor probabilidade de desenvolver pneumonia e danos pulmonares. As células T com reação cruzada surgiram como uma defesa formidável contra doenças graves.  

 

Dr. Elong Ngono, co-líder do estudo, destaca a importância das suas descobertas, afirmando: “A experiência do nosso laboratório em modelos de ratos permitiu-nos aprofundar os conhecimentos sugeridos pelos estudos humanos”. Esta revelação emocionante nos impulsiona um passo mais perto de desbloquear o potencial das células T com reação cruzada como um escudo contra o impacto da COVID-19. 

 

Revelando o futuro das vacinas contra o coronavírus: um mergulho mais profundo nas respostas das células T 

No domínio das ameaças virais, o SARS-CoV-2 está ao lado de antecessores como o SARS em 2003 e o MERS, todos pertencentes à formidável família dos coronavírus. O estudo mais recente serve como um avanço fundamental, desvendando como as células T podem potencialmente aprender a reconhecer e reagir de forma cruzada contra vários coronavírus simultaneamente, incluindo variantes emergentes do SARS-CoV-2 e outros membros da família com potencial pandêmico.  

 

Olhando para o futuro, a equipe de pesquisa deverá explorar o impacto da exposição a diferentes coronavírus do resfriado comum no comportamento das células T. As células T com reação cruzada continuarão a surgir? Eles terão como alvo epítopos familiares compartilhados ou seus olhos estarão voltados para diferentes alvos moleculares? Fique ligado para mais atualizações enquanto exploramos a intrincada dança das células T e preparamos o caminho para soluções inovadoras de vacinas contra o mundo em constante evolução dos coronavírus.

Compartilhar
Artigo anterior
Próximo artigo